Na manhã de 18 de maio, a Biogeoenergy com o apoio do Instituto Sagres, promoveu nas dependências do Ministério da Saúde, a apresentação do ventilador pulmonar que será produzido pela Biogeoenergy. Estiveram presentes o Dr Rafael Mendonça, Coordenador Geral de Atenção Hospitalar da SAES/Ministério da Saúde; a Dra Appi, infectologista do Ministério da Saúde; o Sr José Gontijo, Diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do MCTIC; a Sra Verônica Korilio, Presidente do Instituto Sagres; o General Ridauto, Diretor do Instituto Sagres e Paulo de Tarso, CEO da Biogeoenergy.

O aparelho foi aprovado pela equipe interministerial e considerado apto a ser comercializado como uma das ferramentas aos pacientes em tratamento intensivo de Covid-19, faltando somente a aprovação da ANVISA, cuja análise deverá ocorrer ainda nessa semana. A previsão é que o início da produção em escala ocorra dentro de 10 a 15 dias nas unidades Araraquara SP e Camaçari BA. Trata-se de um tremendo esforço da Biogeoenergy, empresa brasileira gerando empregos no país, para entregar um item essencial na luta contra os efeitos da pandemia.

Comunicado

Recentemente a Biogeoenergy foi alvo de uma operação coordenada pela Polícia Civil da Bahia que investiga a quebra de contrato da empresa Hempcare, que vendeu 300 Ventiladores Pulmonar (Respiradores) para o Consórcio do Nordeste, em um contrato de R$ 48 milhões e supostamente não teria entregue os equipamentos.


Diante deste fato, a Biogeoenergy precisa esclarecer alguns pontos:

A Biogeoenergy não tem e nunca teve contrato firmado com o Consórcio do Nordeste. Nossa empresa desenvolveu um ventilador pulmonar de última geração, único no Brasil, feito atendendo a todas as especificações da Anvisa. Chamado de Respira Brasil, o equipamento passou em todos os testes a que foi submetido e aguarda apenas a autorização do órgão federal para que a produção comece.
É importante destacar aqui que a Hempcare é a única responsável pelo cumprimento ou descumprimento do contrato com o Consórcio do Nordeste uma vez que ela foi quem fechou o negócio com a promessa de entregar equipamentos importados da China. A Biogeoenergy foi procurada posteriormente pela empresa paulista quando esta não conseguiu concretizar a importação.
Nesse momento a Biogeoenergy se comprometeu a vender os respiradores para a Hempcare. O destino desses equipamentos é uma decisão da empresa e não nossa. A Hempcare sempre esteve ciente de nossa situação e do tempo que seria necessário para que os trâmites burocráticos com a Anvisa fossem vencidos para o início da produção e posteriormente a entrega dos aparelhos. Nossa transação com a empresa investigada é comercial, como com dezenas de outras país a fora. Não temos compromissos firmados ou assinados com o Consórcio do Nordeste e portanto, nenhuma responsabilidade sobre a quebra de contrato da Hempcare com os governos do Nordeste.


A Biogeoenergy reafirma seu compromisso em ajudar o país a enfrentar esse momento crítico e colabora com as autoridades policiais para dirimir qualquer dúvida que venha a surgir.