Em viagem recente à China o CEO da empresa Paulo de Tarso assinou contrato de parceria com a líder no mercado chinês BESTON (Henan) Machinery Co.,Ltd.
Essa parceria nos capacita para o desenvolvimento de tecnologia de ponta para as mais diversas necessidades de reaproveitamento de RSU e substancial diminuição do uso de aterros.

Até maio de 2020 serão produzidas 5 plantas de Triagem Mecanizada de Resíduos Sólidos Urbanos. Este equipamento é projetado com base no princípio da redução do volume, evitando o envio para o aterro de resíduos aproveitáveis, agregando valor aos materiais recuperados. O Sistema combina uma grande variedade de dispositivos de seleção, permitindo a separação criteriosa dos: orgânicos, plásticos, papéis, metais, vidros, resíduos inertes e etc. O sistema de monitoramento e atuação por Controle Lógico Programável (CLP) permite supervisão de todo o processo de trabalho. Possui também sistema de desodorização e lavagem por pulverização, permitindo a manutenção da qualidade do ar através da retenção de partículas suspensas, eliminando assim os odores no ambiente e imediações da Planta.

Também a partir de maio, serão construídas 5 unidades mês da Planta de Tratamento Profundo de RSU. Essas plantas permitem, através do processo de pirólise, que pneus e outros tipos de resíduos sejam transformados em óleo combustível, carbono negro, cabo de aço e gás combustível que pode ser utilizado no próprio processo. A previsão de produção é de apenas 120 dias por conjunto.
Além da economia através dos processos, tiraremos toneladas de resíduos que iriam para os aterros e lixões que causam danos ao meio ambiente.
Será o maior tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Brasil, reutilizaremos quase na totalidade os subprodutos do lixo.

Comunicado

Recentemente a Biogeoenergy foi alvo de uma operação coordenada pela Polícia Civil da Bahia que investiga a quebra de contrato da empresa Hempcare, que vendeu 300 Ventiladores Pulmonar (Respiradores) para o Consórcio do Nordeste, em um contrato de R$ 48 milhões e supostamente não teria entregue os equipamentos.


Diante deste fato, a Biogeoenergy precisa esclarecer alguns pontos:

A Biogeoenergy não tem e nunca teve contrato firmado com o Consórcio do Nordeste. Nossa empresa desenvolveu um ventilador pulmonar de última geração, único no Brasil, feito atendendo a todas as especificações da Anvisa. Chamado de Respira Brasil, o equipamento passou em todos os testes a que foi submetido e aguarda apenas a autorização do órgão federal para que a produção comece.
É importante destacar aqui que a Hempcare é a única responsável pelo cumprimento ou descumprimento do contrato com o Consórcio do Nordeste uma vez que ela foi quem fechou o negócio com a promessa de entregar equipamentos importados da China. A Biogeoenergy foi procurada posteriormente pela empresa paulista quando esta não conseguiu concretizar a importação.
Nesse momento a Biogeoenergy se comprometeu a vender os respiradores para a Hempcare. O destino desses equipamentos é uma decisão da empresa e não nossa. A Hempcare sempre esteve ciente de nossa situação e do tempo que seria necessário para que os trâmites burocráticos com a Anvisa fossem vencidos para o início da produção e posteriormente a entrega dos aparelhos. Nossa transação com a empresa investigada é comercial, como com dezenas de outras país a fora. Não temos compromissos firmados ou assinados com o Consórcio do Nordeste e portanto, nenhuma responsabilidade sobre a quebra de contrato da Hempcare com os governos do Nordeste.


A Biogeoenergy reafirma seu compromisso em ajudar o país a enfrentar esse momento crítico e colabora com as autoridades policiais para dirimir qualquer dúvida que venha a surgir.