Paulo de Tarso esteve com o Deputado Federal Benes Leocádio e os prefeitos: José Marques Fernandes – Prefeito de Lajes, Anteomar Pereira da Silva – Prefeito de São Tomé, Clécio da Câmara Azevedo – Prefeito de Bom Jesus, entre outros, em reunião para discutir os detalhes do início das obras do Complexo Eólico do Cabugi que atinge os munícipios de Pedro Avelino, Afonso Bezerra, Angicos e Lajes. As obras terão início em 2020 e movimentarão a economia da região, gerando muitos empregos.

Paulo também apresentou as tecnologias e soluções da BIOGEOENERGY em geração de energia através de Resíduos Sólidos. Possuímos a solução definitiva para o RSU, além de sanar o problema das cidades ainda existe o custo evitado, tornando nossa tecnologia além de sustentável, economicamente viável para os municípios. Através de consórcios até mesmo pequenas cidades da região poderão usufruir das nossas vantagens, todo o lixo que seria descartado em lixões e aterros servirá de matéria prima para geração de energia e outros insumos de valor agregado, comenta Paulo.

Comunicado

Recentemente a Biogeoenergy foi alvo de uma operação coordenada pela Polícia Civil da Bahia que investiga a quebra de contrato da empresa Hempcare, que vendeu 300 Ventiladores Pulmonar (Respiradores) para o Consórcio do Nordeste, em um contrato de R$ 48 milhões e supostamente não teria entregue os equipamentos.


Diante deste fato, a Biogeoenergy precisa esclarecer alguns pontos:

A Biogeoenergy não tem e nunca teve contrato firmado com o Consórcio do Nordeste. Nossa empresa desenvolveu um ventilador pulmonar de última geração, único no Brasil, feito atendendo a todas as especificações da Anvisa. Chamado de Respira Brasil, o equipamento passou em todos os testes a que foi submetido e aguarda apenas a autorização do órgão federal para que a produção comece.
É importante destacar aqui que a Hempcare é a única responsável pelo cumprimento ou descumprimento do contrato com o Consórcio do Nordeste uma vez que ela foi quem fechou o negócio com a promessa de entregar equipamentos importados da China. A Biogeoenergy foi procurada posteriormente pela empresa paulista quando esta não conseguiu concretizar a importação.
Nesse momento a Biogeoenergy se comprometeu a vender os respiradores para a Hempcare. O destino desses equipamentos é uma decisão da empresa e não nossa. A Hempcare sempre esteve ciente de nossa situação e do tempo que seria necessário para que os trâmites burocráticos com a Anvisa fossem vencidos para o início da produção e posteriormente a entrega dos aparelhos. Nossa transação com a empresa investigada é comercial, como com dezenas de outras país a fora. Não temos compromissos firmados ou assinados com o Consórcio do Nordeste e portanto, nenhuma responsabilidade sobre a quebra de contrato da Hempcare com os governos do Nordeste.


A Biogeoenergy reafirma seu compromisso em ajudar o país a enfrentar esse momento crítico e colabora com as autoridades policiais para dirimir qualquer dúvida que venha a surgir.